quinta-feira, 29 de novembro de 2012

O ego é bom ou mau?


 Existem correntes espirituais onde se menospreza o ego, onde se coloca a culpa toda no ego. Primeiro quero dizer o que é o ego para mim, e ele é a parte limitada do nosso Ser, é uma ideia de limitação que está representada por uma identidade composta por corpo e a mente que o controla.

O ego sendo uma ideia de limitação precisa de nos convencer a acreditar que somos apenas essa ideia e a forma que ele usa para manter essa ilusão é através do medo, medo de perda de identidade, medo de isolamento, um medo que nos coloca numa luta constante pela sobrevivência pois nos faz acreditar como vivendo num mundo de escassez, onde apenas os mais fortes sobrevivem.

O ego coloca-nos numa procura constante de algo melhor no futuro, num incessante "procura mas não encontres", como forma de nos manter aprisionados através da ilusão que estamos a fazer um caminho ao encontro da recompensa futura no final da caminhada, isto se fizermos bem as coisas, se nos portarmos bem, se fizermos o que é suposto e esperado que façamos.

O ego faz-nos acreditar que somos apenas este corpo e a melhor provas que ele nos dá disso é através da fragilidade desse mesmo corpo, pois este adoece, é passível de ser magoado e a prova última é ao mesmo tempo a grande ameaça, ou seja a morte, o fim da vida.

E vocês poderão pensar, mas até aqui está a dizer "mal" do ego, ao que eu respondo, isso seria mau se fossemos apenas isto, se fosse de facto apenas isso o que a nossa realidade nos pudesse oferecer. Este é o ponto essencial, o ego por si só não é mau ou bom, só o poderá ser se aceitarmos que somos apenas um corpo controlado por uma mente pensante e que tem um prazo de validade definido. 

Só quando aceitamos essa ideia de limitação é que podem ocorrer os nossos "problemas" enquanto experienciando essa limitação, ou seja, enquanto nos percecionamos como humanos.

Quando despertamos para a nossa essência e tomamos consciência que somos ilimitados e intemporais, que somos espírito a viver uma experiência humana e que esta não altera o que quer que seja a nossa essência perfeita, que esta experiência humana serve para a essência se experienciar a si mesma e através disso continuar a sua expansão, nas diferentes manifestações que vai assumindo.

Percebemos que tudo é perfeito assim como é, que tudo acontece como tem de acontecer e quanto tem de acontecer, pois o que quer que aconteça tem apenas a importância que a nossa perceção lhe atribuí.

 Percebemos que somos uma peça nessa imensa engrenagem que é o todo e que de nós não nos é pedido que, enquanto humanos, possamos entender, que possamos compreender, pois isso deriva de uma necessidade de controle e que quanto mais tentamos controlar esta experiência humana, menos a controlamos e mais dificuldade criamos a nós próprios.

E a ideia é simplificar, é confiar na perfeição da vida e do plano que ela tem para nós e só é necessário da nossa parte estar presente em cada momento, conscientes de que não estamos sozinhos e que a orientação que precisarmos nos será dada desde que estejamos recetivos a ela. 

Assim confia e diz sim à vida, aceita-a e aceita-te como és.







terça-feira, 27 de novembro de 2012

Alimentar o dialogo interno


Um fator relevante na tua qualidade de vida é tornares consciente o dialogo interno que acontece na tua mente a toda a hora, esse dialogo pode ser exponenciador ou limitador da tua experiência humana, podes ser refém desse dialogo ou ser apenas aquele que observa, sendo o espaço onde ele ocorre, esse dialogo interno.

O dialogo interno são esses pensamentos constantes e podes escolher onde colocas a tua atenção, podes escolher que pensamentos alimentas e que crescem através disso mesmo,pelo poder que lhes concedes sobre ti. 

Isto não significa que podes controlar os teus pensamentos, mas sim que controlas aqueles que escolhes alimentar, aqueles que dedicas a tua atenção, já aqueles pensamentos que considerares que não merecem a tua atenção em vez de resistires e tentares com que desapareçam, limita-te apenas a 
observar-los quando surgirem e deixa-os partir. Pois se resistires eles persistem.

Podes cuidar da qualidade dos teus pensamentos através da vibração energética em que estiveres sintonizada e uma forma de o fazer é através de mantras, de frases que usas com regularidade e que te ajudam a focar no que desejas .

Deixo-te algumas frases que podes dedicar a ti mesma, escreve-as numa folha e coloca num lugar a que possas recorrer sempre que quiseres ao longo do teu dia.

- Tu és perfeita assim como és

- A vida cuida de ti, deixa que ela o faça.

- Aconteça o que acontecer tudo acaba em bem.

- A cada momento recebes o bem de braços abertos.

- Melhoras de dia para dia em todas as áreas da tua vida.

- Tu és amor e pela partilha vês como ele cresce na tua vida.

- No universo existe abundância infinita e está disponível para ti.

- A paz e a alegria residem em ti, deixa que eles se mostrem.

- A vida é perfeitamente simples.

- Possuis em ti todas as respostas e recursos para fazer face a qualquer situação.

- Só acontece aquilo que tem de acontecer de outra forma não aconteceria.

Estas são apenas algumas frases, muitas outras poderias usar e podes escrever outras que consideres importantes para ti, lembrando-te sempre que és tu que lideras a tua vida. Tu és a tua vida, ela não é algo que te acontece de fora para dentro, mas sim algo que tem origem dentro de ti e se reflete na tua realidade.

Toma nota do teu dialogo interno ele mostra-te o quanto cuidas de ti e aquilo que podes corrigir por forma a conheceres quem és de verdade.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Oferta Natal

É hora de cuidar de si ou de ajudar alguém que conheça a mudar a vida, descobrir a plenitude do seu Ser e encontrar os recursos que existem em si para fazer face a qualquer desafio que a vida lhe coloque. Por muito que pense que nada pode fazer, na verdade possui em si todos os recursos para viver a vida que merece, sabendo que aconteça o que acontecer nada, nem ninguém lhe poder retirar o que quer que seja ao seu valor. A sua essência é perfeita,pode não ter consciência disso, mas ao fazer sessões desenvolvimento pessoal irá relembrar quem é de verdade. Simplifique a sua vida, fazendo menos, muito menos irá conseguir mais,  muito mais.Desligue o complicómetro e assuma as rédeas da sua vida,mais ninguém a pode viver por si. Mas não acredite no que eu lhe digo,experimente por si e tire as suas conclusões.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Tu és o Sol da tua existência


Tu és o Sol da tua existência significa que estás no centro da tua vida, desta tua experiência humana e que aquilo que é a tua essência, ao longo da qual tudo gravita, é imutável, é intemporal.

Tal como o Sol continua sempre brilhante e permanente, ele está sempre lá, nós é que o vemos ou deixamos de ver, por vezes "viramos" as costas e cai a noite, por vezes de dia surgem nuvens carregadas de negro que tapam a nossa visão dele, mas ele continua lá, aquilo que muda somos nós em relação a ele.

Assim és tu também em relação à tua vida como humano, a tua essência de puro amor,alegria e paz, residem em ti, são quem tu és de verdade, por vezes viras-lhe as costas e  cai a noite na tua existência como que desligas e funcionas em piloto automático, andas adormecido e crês que és uma vítima das circunstâncias, crês que nada podes fazer a não ser responder o melhor que podes àquilo que te dão e que te permitem fazer.Limitas-te a fazer aquilo que é suposto, a cumprir o papel que é esperado de ti.

Tens dias muito carregados de nuvens escuras e acreditas que és essa negrura, que és essas nuvens, mas tu és esse imenso céu onde elas surgem e como tal elas acabam por passar e tu continuas igual. Desperta da ilusão que és as nuvens e que por vezes as coisas correm melhor e tudo é mais branco, mas que muitas vezes tudo corre mal e tudo é negro.

Deixa que se dissipem as nuvens da tua realidade e isto não significa que desistes das nuvens, significa sim que as aceitas quando elas surgem, sejam elas mais suaves ou carregadas, que aprecias aquilo que elas te trazem em cada um desses momentos, sabendo tu que és o espaço ilimitado onde elas se passeiam,e que nada pode beliscar aquela que é a tua essência.

A tua luz interior brilha intensamente, não importa a quantidade de nuvens que surjam no teu céu ou a qualidade das mesmas. Quando o fazes amplias a tua visão da realidade e tomas consciência da plenitude to teu existir, passas a desfrutar totalmente de cada momento, pelo que ele é, pelo que ele te traz.

E tudo se torna mais simples, tudo é aquilo que é.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Espaço aberto


Neste número que será lançado este sábado contém mais um artigo escrito por mim, a espaço aberto é uma revista que visa contribuir para o despertar de consciência e tem distribuição gratuita, podendo ser encontrada em vários lugares do país, nomeadamente aqui na zona do Porto no norteshopping entre outros.
Neste artigo Reconectar à nossa essência escrevo sobre a desnecessária intermediação entre Deus, ou a essência, ou a fonte, escolha o nome que lhe for mais confortável, e cada um de nós

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

É hora de despertar




"Uma vez que despertes não terás nenhum interesse em julgar aqueles que dormem."

Desperta para quem és de verdade, quando te conheces verdadeiramente tomas consciência da perfeição do teu Ser, da perfeição da vida como ela é, e todos os seus equilíbrios que nada deixam ao acaso e que não exclui ninguém.

Só uma visão limitada da realidade, que é aquela que enquanto seres humanos experiênciamos e que nos faz acreditar como sendo separados uns dos outros, porque somos apenas corpos e a mente que o controla e que aquilo que pensamos é apenas nosso e que não influência quem está ao nosso redor.

Que nos faz acreditar que somos insignificantes que pouco podemos fazer para mudar o rumo das nossas vidas, que nos podemos limitar apenas a ser vítimas das circunstâncias e que eventualmente num futuro quando morrermos poderemos aspirar a ser perdoados pelos nossos pecados e termos direito a viver num paraíso idílico.

Mesmo que acredites nesta versão de ti a boa notícia para ti é que isso não belisca nem um pouco aquilo que é a tua essência, nada do que possas fazer ou pensar sobre ti e a tua realidade poderá retirar algo que seja à perfeição da tua essência.Pode sim influenciar apenas a forma como te percecionas e te permites experenciar esta tua experiência humana.

Desperta desse sonho de ilusão e limitação e podes escolher um outro sonho mais próximo da tua verdadeira essência que te permite desfrutar ao máximo desta tua experiência humana enquanto ela dura.
Possuis em ti os recursos para mudares a tua perceção da realidade em que vives.

É disso que são feitos os milagres.



segunda-feira, 19 de novembro de 2012

O Universo está em nós



O universo está em nós, a parte é igual ao todo, cada parte contém a mesma essência que constitui o todo, somos todos um só, nas diferenças encontram-se as ligações que se complementam, as diferenças são só aparentes, pois a base é comum.

Todos, sem exceção, são necessário para o equilíbrio e simplicidade complexa da existência, da vida em todas as suas múltiplas manifestações.

Assim quando te apanhares a criticar, a julgar outra pessoa, pára por um instante e procura que a empatia te permita perceber que cada um dá o seu melhor, cada um procura de acordo com o seu nível de consciência ser o melhor que pode em cada momento e que tudo acontece como tem de acontecer, porque de outro modo, não aconteceria.

São esses acontecimentos, principalmente aqueles que consideramos como menos bons, que nos fazem despertar para a nossa essência,para a imensidão do valor que temos, pois sem contrastes nunca tomaríamos a consciência do quão perfeita é a vida,nem saberíamos apreciar aqueles momentos que são divinais, em que sentimos de verdade como tudo faz sentido, sentimos o puro amor que somos e que se reflete em muitos aspetos da nossa vida, seja no sorriso de uma criança, seja num abraço de um amado, seja na partilha de uma refeição.

A vida não é algo que nos acontece, mas sim algo que nós somos, nós somos vida, nós somos o universo.

Tu mereces viver em pleno esta tua experiência humana,sabendo que ela não belisca nem um bocado aquilo que é a tua essência perfeita, aceita aquilo que vier, vivência aquilo que vem e retira os seus ensinamentos e faz de cada momento uma descoberta.

Vive cada dia como se visses tudo pela primeira vez, com a avidez da descoberta, com a espontaneidade de quem olha pela primeira vez, deixando-te envolver pela experiência como um todo, retirando o máximo de cada pormenor, por mais pequeno que seja.

Livre de mágoas e ressentimentos do passado, pois é no presente que vives, é no presente que podes agir, que podes sentir, que podes vivenciar a plenitude do existir.


sábado, 17 de novembro de 2012

Ama-te de verdade


"Eu amo-me e aceito-me incondicionalmente, agora mesmo."

É no amor próprio que te encontras, que te conheces de verdade, podes procurar por todo lado, percorrer o mundo todo e mais além, mas enquanto não olhares para dentro de ti, enquanto não te amares de verdade, as respostas que procuras continuarão por encontrar. Tu és perfeita assim como és e se achas que não é porque ainda não te conheces de facto, e continuas a desejar ser outro alguém diferente de quem és.E é precisamente esse desejo de ser outra que te impede de veres quem és, o conflito que passas resulta da diferença daquilo que desejavas ser e daquilo que és de verdade.A boa notícia para ti é que aquilo que és de verdade é muito melhor, muito mais perfeito do que aquilo que imaginas que gostarias de ser. Permite-te conhecer, deixa que a tua essência se revele, que todo o amor que existe em ti se manifeste na tua realidade.


quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Como lidar com o medo


O medo condiciona a tua vida, se assim o permitires, se te entregares ao seu domínio e acreditares que não tens alternativas, que a vida humana é feita de sofrimento e que, talvez, se passares despercebida ele não te faça muito mal. Como lidar como o medo então?

1 Reconhecer o medo
Reconhecer os teus medos, saber quais são esses medos em vez de os tentar negar ou esconder, é o primeiro passo para os superar. Pensa nas situações que te metem medo, o que sentes ao pensar nessas situações, que sensações surgem no teu corpo.Toma nota disso. conhece de que forma impacta em ti essas situações que tens medo.

2 O medo é apenas uma interpretação
O medo é algo que existe apenas na tua mente e ele terá o poder que tu lhe concederes e quanto mais o evitas, quanto mais resistes aos medos mais eles persistem,mais força sobre ti ganham.O medo aliena-te da tua essência de paz,felicidade e puro amor, mas só na medida em que acreditares que assim é, podes a qualquer momento escolher que seja diferente.

3 Enfrentar o medo
Olhar os medos de frente, quando te encontrares numa situação em que tenhas medo deixa-te ficar e vê o que acontece.É óbvio que não estou a falar de situações que coloquem em causa a tua vida, como te atirares de uma janela, ou algo do género.Enfrenta o medo e verás que nada de mais acontece, que aquilo que tanto temias é muito menor do que julgavas, pois ao evitares fazer aquilo que temias isso fazia com que crescesse a ideia e o controle do medo sobre ti, mas o encarares de frente vês que ele é muito menor do que imaginavas e quanto mais o fizeres ele acaba por desaparecer.

4 Liberdade
Enfrentando os medos começas a tomar consciência da sua verdadeira natureza, que eles são meras ilusões e que só eram reais para ti porque tinham origem na tua mente e como os evitavas, reforçavas o seu poder sobre ti, como ilusões que são ao deixar de existir na tua mente crias espaço na tua atenção para a tua verdadeira essência de amor e sentes a liberdade para ser e fazer tudo aquilo que te propores fazer.Pois os limites são aqueles que aceitares como teus.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

3 Passos para aumentar a compaixão na tua realidade


A compaixão é o contacto com amor incondicional que constitui a tua essência e cada momento é o momento certo para semeares a compaixão, para fazeres com que cresça através da partilha.
Deixo-te três passos para aumentares a compaixão na tua realidade:

1 A compaixão começa em ti
É dentro de ti que a compaixão tem a sua origem, é amando-te plenamente como és, é estando presente para todas as manifestações do teu Ser, sem evitar nenhuma que cimentas a compaixão. Concerteza que enquanto humano irás detetar aquilo que classificas como defeitos em ti, mas através da compaixão integras isso a que chamas defeitos e permites assim perceber que esses "defeitos" tem a sua função na tua realidade e contribuem para a plenitude do teu Ser.

2 Cada um faz o seu melhor
A compaixão permite-te reconhecer que cada um faz o seu melhor, cada pessoa age de acordo com o seu nível de consciência e cada ato seu tem a ver consigo própria e não contigo. A compaixão ajuda-te a aceitar o comportamento das outras pessoas sem os considerar como ataques pessoais, repara que aquelas pessoas que são mais bruscas e violentas, o que não sofrerão elas para se manifestarem dessa forma, pois a realidade é um espelho do nosso interior.E se isso acontece na tua realidade serve para que reflitas e reconheças aspetos teus que se identificam com esses comportamentos, ainda que com diferentes intensidades.

3 Alimenta a compaixão
Cada situação é uma oportunidade para alimentares a compaixão, para a fazer crescer na tua atenção, deixa que o puro amor que é a tua essência te mostre como agir, que te mostre o bem que existe em todas as pessoas. Deixa que os olhos da alma te ajudem a ver de verdade através das aparências de separação, que te levam a focares-te naquilo que te separa dos demais, em vez daquilo que te une. Pois aquilo que te une aos demais é muito mais forte que qualquer noção de separação, de diferença, usando a compaixão sem limites permites-te reconhecer a compaixão nos teus semelhantes, pois em essência somos todos Um.


A compaixão não é pena, não é ser complacente, sentires que os outros agem de forma que consideras errada,mas mesmo assim as aceitas como são porque te achas melhor que elas, a compaixão é reconheceres que as outras pessoas são perfeitas na sua essência e que os desafios que a experiência humana lhes coloca não belisca o seu valor.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Desapego




Uma estória oriental sobre o desapego e como é importante sermos verdadeiramente livres, tal como é a nossa essência, sem nos deixarmos aprisionar nos objetos da moda em busca de status, ou de nos sentirmos mais importantes pela posse de algo, seja esse algo o que for, pois para algumas pessoas isso passa pela posse de outras pessoas, pela sua subjugação. E no entanto tudo o que faz parte da nossa realidade nada nos pertence, nenhum objeto a que chamas teu, nenhum familiar a que chamas teu, te pertence, apenas te foi emprestado, apenas te foi dada a oportunidade de partilhares esta tua experiência humana com eles para que em conjunto possam evoluir.

A estória conta:


"Foi a muito, muito tempo. Num casebre muito pobre junto aos portões de entrada da cidade vivia um eremita. Ele era venerado como um asceta santo, muitas pessoas procuravam seus conselhos. Até o rei já tinha ouvido falar dele. Ele quis conhecer esse homem de qualquer maneira. Um dia ele foi até o casebre e perguntou-lhe se não queria mudar-se para o palácio.

- Se o senhor quiser -respondeu o eremita - Posso ir a qualquer lugar.

O rei ficou surpreso, mas não deixou isso transparecer. Ele havia imaginado que o eremita aceitaria seu convite. Um verdadeiro eremita não deveria recusar a oferta? O rei começou a ter dúvidas. Mas como ele já havia feito o convite, levou o homem ao palácio onde mandou que lhe preparassem um belo quarto e uma boa refeição.

E o que fez o eremita? Ele usufruiu do belo quarto e da boa comida. No dia seguinte também, e no seguinte ao seguinte. Esse homem, que dizia ser um asceta, deixou-se tratar muito bem no luxuoso palácio. O rei estava profundamente decepcionado. Depois de uma semana ele falou diretamente ao estranho hóspede:

- Desculpe-me, mas simplesmente não consigo entender como você, um asceta, pode viver em um palácio. Qual a diferença entre você, um homem santo, e eu, um rei?

- Se o senhor quer ver a diferença, então venha comigo para fora da cidade.

Os dois se puseram a caminho. Caminharam por muito tempo sobre campos ensolarados, bosques húmidos e aldeias isoladas. E quanto mais caminhavam, mais impaciente o rei ficava. Quando anoiteceu ele pediu ao eremita insistentemente que finalmente respondesse à sua pergunta.

- Eu lhe direi apenas uma coisa - respondeu ele - Não voltarei mais. Seguirei adiante. O senhor virá comigo?

O rei sacudiu a cabeça.
- Não posso. Não posso abandonar meu reino e meu palácio. Além disso tenho uma família.
- Está vendo a diferença? Eu posso seguir adiante, não deixei nada para trás. Desfrutei das comodidades do palácio. Mas não me apeguei a elas. Por isso eu posso agora seguir adiante.

- Por favor, não faça isso - disse o rei - Volte comigo ao palácio.
- Para mim não faz diferença se volto ao palácio com o senhor ou sigo adiante. Mas se eu voltar, também voltarão suas dúvidas. Por isso, por amor ao senhor, eu seguirei adiante."

E tu podes seguir adiante? Podes regressar a casa?

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Não te magoes mais



É hora de assumires a tua verdadeira essência, tu és amor, todo o teu ser em todas as suas manifestações continua a ser amor. Mas aceitaste uma ideia limitada sobre quem és, aceitaste que és apenas um corpo e o ego que o controla, e que te diz o que fazer e que te colocou numa busca que é incessante, pois nunca encontras o que procuras.

Aquilo que ele te vai dando são pequenos reflexos daquilo que és, por forma a te manter agrilhoada nessa ideia de limitação, por forma a te manter entretida com a tua atenção fora de ti.

Pois é em ti que todas as respostas se encontram, é dentro de ti que descobres a tua essência de amor, tu és amor, apenas não o encontraste porque ele se mantém encerrado numa prisão interna, a qual não te permites aceder, porque não acreditas no brilho da sua intensidade.

Preferes o esforço de te manter afastada desse brilho puro do amor que és, com medo do seu poder intenso e ilimitado, preferes escolher a infelicidade que constróis afastando-te do teu centro e olhando para fora, colocando a tua atenção nas projeções dos teus medos, da tua sombra na tua realidade externa humana para assim teres quem e o que criticar, ter algo, ter alguém que te sirva de bode expiatório e te que dê o alívio de não olhares para dentro de ti, de te permitires conhecer de verdade.

Tens medo de quem descobririas se olhasses demasiado tempo para a luz intensa que pulsa em ti, tens medo de perder o controle, de perder essa identidade que te ensinaste ao longo dos anos a aceitar como sendo a tua. Preferes a limitação do que és, preferes o trabalho consistente que te mostra que apenas no sofrimento te reconheces de verdade, em vez da simplicidade perfeita da tua essência pura de amor.

Muito trabalho e esforço tens tido para seres infeliz,para te sentires insatisfeita, enganaste a ti mesma dizendo é assim que as coisas são, a vida é sofrimento, só tenho que carregar a minha cruz e procurar que no futuro possa ter um pouco de descanso, um pouco de felicidade.

Como gostas de ser enganada, tu sabes que esse futuro não existe, tu sabes que apenas existe este momento  chamado agora, tu sabes isso, possuis toda essa informação dentro de ti, é aquilo que és, não precisas que te digam aquilo que és. Basta-te Ser.

Nunca é demasiado tarde, nem demasiado cedo para seres quem és de verdade, a tua essência desconhece a tua limitação, ela é perfeita, podes escolher a qualquer momento deixar partir as ideias de limitação, as ideias que te dizem que deves sofrer muito para seres alguém, para teres direito que alguém te venha dar o amor que mereces.

Escolhe quebrar as barreiras que cercam o teu coração e permite que o teu amor se expresse em todo o seu esplendor na tua vida, através da sua partilha, quanto mais o partilhas mais ele te mostra a tua essência de amor, mais provas de amor encontras na tua realidade. E sendo inteira pela primeira vez podes ter alguém ao teu lado que queira exponenciar esse amor, que queira fazer com que cresça, pois essa pessoa também é amor, também é inteira.

É preciso amor para reconhecer o amor, um amor pleno, não tem falhas, não tem escassez, ele 
reconhece-se na partilha.



terça-feira, 6 de novembro de 2012

Eu te agradeço


Este blog atingiu 10000 visitas, obrigado a todos os que aqui passaram, espero que continuem a visitar, que possam, se assim, entenderem partilhar, divulgar, comentar, por forma a que chegue a mais pessoas.

Para alguns 10000 será pouco, para outros será muito, só assim o seria em comparação com algo e o objetivo não é a comparação mais sim agregar, pois comparar implica julgamento e cada um trilha o seu caminho e todos os que entrem nesse caminho, todos os que são "tocados" por esse caminho, não o são por acaso.

Todas as pessoas que entram na nossa vida, seja por muito ou pouco tempo, trazem algo para nós e levam algo de nós.

Com todos sem exceção se pode aprender e também ensinar, pois na verdade aprendemos através do que ensinamos e ensinamos pela forma como agimos perante o outro, pela forma como tratamos todos os que entram na nossa vida e mesmo pela forma como tratamos a vida.

A realidade é um espelho do nosso interior, cada pessoa, cada acontecimento são aspetos nossos que se manifestam e que servem para que despertemos para a nossa essência, para a verdade que somos.

A vida somos nós, nós somos vida, ela não é algo que nos acontece, algo que vem de fora e que interiorizamos, mas sim algo que vem de dentro, no sentido humano, e que se vê fora. Porque  nossa essência dentro e fora são o mesmo e um só, nós somos o todo e o todo está contido em cada um de nós.

E uma das formas de entrar em contato com a nossa essência é a gratidão, a forma como reconhecemos tudo aquilo que somos, tudo aquilo que temos, mesmo na visão limitada do humano, se formos gratos pelas pequenas coisas que já existem em nós, que já possuímos, mais motivos a vida nos trará para sermos gratos.

 E temos muitos motivos, cada um de nós, para ser gratos neste preciso momento.

Faço-te um desafio, pára um momento pega numa folha de papel e numa caneta e escreve cinco motivos pelos quais estás grato, desde as coisas mais simples até ás que julgas como mais complexas.Depois de os escreveres, foca a tua atenção no que estás a sentir, deixa que essa sensação te envolva, te preencha totalmente e agora vê essa sensação ser projetada no teu mundo, pode ser se quiseres direcionado para alguma pessoa e repara como cresce essa sensação.

Este exercício podes repeti-lo todos os dias, ou quando te apanhares a protestar contra a tua realidade, lembra-te que aquilo em que te focas, a que dedicas a tua atenção torna-se real para ti.

Mais uma vez obrigado por leres as minhas palavras, por aceitares receber as "minhas" ideias, elas servem para que eu me relembre quem sou e que também és tu, todos somos um só, puro amor.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Poemas de Alberto Caeiro

Falas de Civilização, e de não Dever SerFalas de civilização, e de não dever ser, 
Ou de não dever ser assim. 
Dizes que todos sofrem, ou a maioria de todos, 
Com as cousas humanas postas desta maneira. 
Dizes que se fossem diferentes, sofreriam menos. 
Dizes que se fossem como tu queres, seria melhor. 
Escuto sem te ouvir. 
Para que te quereria eu ouvir? 
Ouvindo-te nada ficaria sabendo. 
Se as cousas fossem diferentes, seriam diferentes: eis tudo. 
Se as cousas fossem como tu queres, seriam só como tu queres. 
Ai de ti e de todos que levam a vida 
A querer inventar a máquina de fazer felicidade! 

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos" 
Heterónimo de Fernando Pessoa
Aceita o UniversoAceita o universo 
Como to deram os deuses. 
Se os deuses te quisessem dar outro 
Ter-to-iam dado. 

Se há outras matérias e outros mundos 
Haja. 

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos" 
Heterónimo de Fernando Pessoa
O Único Mistério do Universo é o Mais e não o MenosNo dia brancamente nublado entristeço quase a medo 
E ponho-me a meditar nos problemas que finjo... 

Se o homem fosse, como deveria ser, 
Não um animal doente, mas o mais perfeito dos animais, 
Animal directo e não indirecto, 
Devia ser outra a sua forma de encontrar um sentido às coisas, 
Outra e verdadeira. 
Devia haver adquirido um sentido do «conjunto»; 
Um sentido, como ver e ouvir, do «total» das coisas 
E não, como temos, um pensamento do «conjunto»; 
E não, como temos, uma ideia do «total» das coisas. 
E assim - veríamos - não teríamos noção de conjunto ou de total, 
Porque o sentido de «total» ou de «conjunto» não seria de um «total» ou de um «conjunto» 
Mas da verdadeira Natureza talvez nem todo nem partes. 

O único mistério do Universo é o mais e não o menos. 
Percebemos demais as coisas - eis o erro e a dúvida. 
O que existe transcende para baixo o que julgamos que existe. 
A Realidade é apenas real e não pensada. 
O Universo não é uma ideia minha. 
A minha ideia do Universo é que é uma ideia minha. 
A noite não anoitece pelos meus olhos. 
A minha ideia da noite é que anoitece por meus olhos. 
Fora de eu pensar e de haver quaisquer pensamentos 
A noite anoitece concretamente 
E o fulgor das estrelas existe como se tivesse peso. 

Assim como falham as palavras quando queremos exprimir qualquer pensamento, 
Assim falham os pensamentos quando queremos pensar qualquer realidade. 
Mas, como a essência do pensamento não é ser dita, mas ser pensada, 
Assim é a essência da realidade o existir, não o ser pensada. 
Assim tudo o que existe, simplesmente existe. 
O resto é uma espécie de sono que temos, 
Uma velhice que nos acompanha desde a infância da doença. 

O espelho reflecte certo; não erra porque não pensa. 
Pensar é essencialmente errar. 
Errar é essencialmente estar cego e surdo. 

Estas verdades não são perfeitas porque são ditas, 
E antes de ditas, pensadas: 
Mas no fundo o que está certo é elas negarem-se a si próprias 
Na negação oposta de afirmarem qualquer coisa. 
A única afirmação é ser. 
E ser o oposto é o que não queria de mim... 

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos" 
Heterónimo de Fernando Pessoa

sábado, 3 de novembro de 2012

Só te preocupam pensamentos passados


 "Não chores porque acabou, sorri porque aconteceu." Dr. Seuss

Aquilo que te preocupa são apenas pensamentos passados e eles mantém-te aprisionado se te lamentas pelo que aconteceu e até que possas ver esse passado como um momento de aprendizagem, como algo que te fez evoluir, enquanto não o fizeres estarás a limitar-te e a impedir-te de vivenciares em pleno a essência do teu Ser, que pode apenas ser experienciado neste momento chamado agora.

Pois nada consegues ver como é agora, mas sim como projeções do passado, pois vês tudo o que ocorre na tua realidade através dos olhos do passado, estás a julgar constantemente o que ocorre com base nas referencias do passado.

E isso faz-te ver como incompleto e numa constante luta contra ti próprio, numa luta permanente entre aquilo que achas que deverias ser e aquilo que és de verdade.

Mas aquilo que és de verdade só pode ser vivido como é, no momento presente.

É quando te libertas das ideias de necessidade, das ideias que é suposto fazer muitas coisas para puderes ser alguém, que seja respeitado e aceite pelos outros, o que na verdade é um engodo, enganas-te a ti mesmo, tudo acontece em ti, na tua mente e enquanto estiveres focado no exterior, enquanto procurares bodes expiatórios para impedir que te conheças de verdade, a paz e a verdade que procuras, estará mesmo à tua frente que não a verás.

Como dizia, é quando te libertas que permites que aquilo que és se possa tornar consciente em ti. Isso exige pouco de ti, de verdade não exige nada, apenas a tua vontade e presença. É uma escolha tua e que a podes tomar em qualquer altura, que nunca será tarde de mais.

A tua essência é perfeita, ilimitada e intemporal. É puro amor.


quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Esforçaste muito para ser infeliz.

Existe um lugar em ti de puro amor, é ai que reside a tua essência e esse lugar é ilimitado e intemporal, pois assim és tu.

 Sabes que te dá muito mais trabalho seres infeliz e sentir falta de amor do que o contrário, é a tua ação que te pode fazer crer como infeliz, como sentindo falta de amor, são as tuas crenças, os teus pensamentos que te aprisionam e te limitam o experienciar da tua verdadeira realidade.

Tu já és feliz, já és amor, logo nada disto te falta, pelo contrário, tens tanto que precisas de o partilhar para que ele cresça ainda mais, pois o teu amor atrai mais amor e quanto mais o partilhas, mais tens para partilhar e mais provas do amor que és a vida te concede.

Sendo essa a tua natureza, o amor, então se não o sentes na tua realidade, foi porque criaste uma ilusão contrária, e essa ilusão exige mais esforço teu para que se torne real para ti.Pois apenas a tua ação pode criar a escassez, ela é apenas uma ideia que surge na tua mente e que alimentas com a tua emoção e a tua atenção, e como a crias  acreditas nela e procuras as provas da tua criação na tua realidade e irás encontrar  aquilo que procuras reforçando a tua crença.

Como vês isto exige muito esforço da tua parte, ainda que seja na sua maioria inconsciente para ti.

A boa notícia é que podes escolher simplificar, podes escolher deixar de criar as limitações e condicionantes que iludem a tua essência amorosa de ser vivenciada em pleno por ti. Basta que confies na tua essência, no teu Ser e permitas que este te guie.

Liberta-te da necessidade de controlar a tua vida, que mais uma vez exige demasiado esforço da tua parte, tentando que elas seja como julgas que é ideal para ti e aceita a vida como ela é de verdade, fica num estado de recetividade, de aceitação estando focada no momento presente desfrutando de tudo aquilo que é teu por natureza.

A inteligência criadora do universo, ou Deus se preferires, ou outro nome que te seja mais confortável, criou tudo o que existe na perfeição e achas que deixaria que estivesses abandonada no mundo à tua sorte, sem possibilidade de salvação, condenada ao sofrimento.

Repara que a vida tal como a conhecemos só existe na Terra porque tudo foi criado ao milímetro para que assim fosse, bastava que o planeta tivesse uma inclinação diferente, ou que estivesse mais próximo ou afastado do sol para que a vida como a conhecemos fosse impossível.

E criando isto tudo dessa forma deixaria que estivesses ao abandono sem recursos para superar qualquer dificuldade, isto é possível apenas como uma ilusão que foi criada na tua mente e como a criaste acreditas nela e a vives como real para ti.

 Mas aconteça o que acontecer a tua essência é perfeita e ilimitada, a única parte tua que pode de facto sofrer é a tua mente separada que se projeta num corpo e numa identidade que tem um nome, pelo qual és conhecida,  e essa parte sim pode sentir-se abandonada, pode se magoar fisicamente, mas isso só acontece enquanto quiseres controlar aquilo que identificas plenamente com aquilo que és, se escolheres simplificar, se escolheres abdicar do controle da tua vida e confiares na orientação do teu Ser, verás como tudo muda na tua realidade.

Isto não significa abandonares-te à inação, fechares-te em casa esperando que cheguem as instruções sobre como proceder, não, o que isto significa é que escolhes aceitar a vida como ela é, escolhes agir focada no momento presente, de mente aberta e atenta aos sinais, ouvindo o coração e a intuição.

Existe um lugar em ti de puro amor deixa que ele se revele.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...